You are currently browsing the monthly archive for Abril 2009.

© Shutterstock O que é mais importante para ti define as tuas decisões diárias.

Uma pessoa pode gastar 1 hora para se arrumar, maquilhar, ajeitar, e sair a correr de manhã, com um copo de leite no estômago, ou mesmo nada, porque “não teve tempo” pra comer.

Outra pode gastar uma hora num cadeirão, com livros à sua volta, cedo de manhã, fechando os olhos de vez em quando, só para “estar com Deus”.

Outra, ainda, prefere gastar o seu salário com objectos quase funcionais e quase inúteis, e chegar ao fim do mês e perceber que gastou bem mais do que podia pagar.

Os teus valores determinam o que pensas e o que fazes. Eles definem o que é importante e o que não é.
Que calças usar, que almoço comer, que curso seguir, que relacionamento ignorar… Simples ou complexas, todas as tuas decisões baseiam-se nos teus princípios. Se ignoras os teus valores, torna-se muito difícil decidir.

Tudo se torna muito simples quando sabes o que rege a tua vida. E se sabes o que te direcciona, então já sabes o que fazer. Pode não ser fácil, mas é simples. É decidir e ir em frente.

No fim do dia, o que conta é o que fazes. Mas antes de fazer, escolhe os teus princípios. Tudo fica muito mais simples. E, então, vive.

“Se vivemos, é para o Senhor que vivemos e, se morremos, é para o Senhor que morremos; pois tanto na vida como na morte, somos todos do Senhor.” Romanos 14:8

© Tommy Ga-Ken Wan

Eu sou movida por vontades. Vontade de dormir, vontade de comer, vontade de ir à casa-de-banho, vontade de ver, vontade de ouvir, vontade de ganhar, vontade de saber, vontade de ter, vontade de ser.

Mas também sou movida por valores (princípios). Levanto-me de manhã porque tenho responsabilidades, vou porque quero agradar alguém, faço porque é o certo a se fazer, não faço porque não é correcto.

Podes não saber donde vieram, mas tens valores, assim como eu.
Já alguma vez te apanhaste a argumentar contigo mesmo para, nalgum momento,
pôr de lado um princípio que tens desde que te lembras de existir?
Hoje aconteceu-me. Depois, por acaso (será?), li Gálatas 5:24.
E percebi.

Os meus valores parecem perder cor perto das promessas coloridas do Inimigo.
Vivemos num mundo de cores, luzes e sons, de televisão HD, de filmes 3D, de internet a 100 megas.
O que eu quero? Cor, velocidade e definição, ou Vida, Salvação, Felicidade?

Talvez não tenha que escolher entre um dos dois grupos.
Mas uma coisa já decidi: se esta escolha se impôr sobre mim, não penso 2 vezes.

O meu coração tem Dono.

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 2.006 outros seguidores

Comentários